Relembrando o revolucionário LGBTQ Harvey Milk com as pessoas que o conheceram

Relembrando o revolucionário LGBTQ Harvey Milk com as pessoas que o conheceram

Harvey sabia que morreria em breve, ele sempre costumava falar sobre isso, diz Gary Geddes, de 71 anos, amigo e colega do ícone dos direitos gays Harvey Milk. Ele sabia que não iria sobreviver, ele sabia que eles o matariam - e aconteceu.

Harvey Milk se tornou a primeira pessoa assumidamente homossexual eleita para um cargo público na Califórnia quando, após quase uma década de tentativas infrutíferas, foi eleito para o Conselho de Supervisores de São Francisco em 1977. 10 meses depois de fazer o juramento de posse, ex-Supervisor da Cidade Dan White assassinou Milk ao lado do prefeito George Moscone.

Hoje faz 40 anos desde que Milk foi assassinado. Sua morte, poucos meses antes da crise da Aids tomar conta do mundo, devastou a comunidade gay de São Francisco, enviando ondas de choque pelo movimento LGBTQ + da América. Hoje em dia, Milk é um ícone global cuja marca na política e na cultura é indelével. O filme vencedor do Oscar Leite contou a história de sua última década, onde a política dominou sua vida. Um novo livro de Andrew Reynolds, Os Filhos de Harvey Milk , explora como os políticos LGBTQ + mudaram o mundo nas quatro décadas desde sua morte.

Harvey Milk cavalga pela Market Street de São Francisco durante a Parada do Dia da Liberdade Gay, quetornou-se orgulhoFotografia Terry Schmitt,via Eventsi

Mas antes que Hollywood e as editoras o adotassem, Milk teve que escrever sua própria história. Gary o conheceu originalmente em Nova York, mas os dois se reconectaram depois que Milk se mudou para San Francisco em 1974. Ele deu a Gary um folheto da loja de câmeras que ele acabara de abrir na Castro Street. Essa rua icônica acabou se tornando o centro do movimento pelos direitos gays de São Francisco. Como o representante mais visível da comunidade, Milk costumava ser chamado de prefeito da rua Castro. A comunidade da rua Castro era um grupo único de pessoas, Gary disse a Dazed. Foi depois da Guerra do Vietnã e a cidade de Nova York estava em uma situação ruim - havia muito crime e não havia empregos. Os gays encontraram um lar em San Francisco e se mudaram para essa área. Todos nós sofremos discriminação, mas Harvey nos uniu.

Milk concorreu sem sucesso ao cargo duas vezes antes de finalmente vencer em 1977. Mas, apesar de suas perdas iniciais, ele conseguiu concentrar a energia da comunidade LGBTQ + de San Francisco na luta por causas comuns. Embora sem modelos a seguir, principalmente na política, essa não era uma tarefa fácil. O maior problema de Harvey era fazer os gays pensarem que ele poderia ganhar uma eleição. E se ele fez isso, e daí? Foi difícil convencer os gays de que ele poderia criar mudanças, explica Gary. Essa é a sua maior conquista. Ele realmente fez as pessoas acreditarem em si mesmas. Ele fazia as pessoas sentirem que podiam fazer qualquer coisa.

Um destaque do ativismo de Milk foi o boicote à cerveja Coors. Em 1977, a marca de cerveja notoriamente anti-sindical moveu-se para destruir seu sindicato, uma greve de quase 1.500 trabalhadores. Parte dessa campanha anti-sindical era demitir, sem evidências, trabalhadores suspeitos de serem LGBTQ + de sua cervejaria sediada no Colorado. O boicote, que começou em bares gays e depois se espalhou para bares heterossexuais simpáticos, é um exemplo importante da união entre a classe trabalhadora e o ativismo pelos direitos queer, que é fundamental para o legado de Milk. Coors também discriminou as mulheres e financiou causas anti-imigrantes em todos os Estados Unidos, então o boicote se tornou uma resistência de vários eixos de opressão.

A coisa mais importante que ele queria era que a bala que perfurou sua cabeça perfurasse todos os armários da América

Ele era um homem doce. Ele nunca iria desistir de seu trabalho, assim como seus namorados. Acho que ele teve um caso trágico após o outro, lembra Gary. Mas a coisa mais importante que ele queria era que a bala que perfurou sua cabeça perfurasse todos os armários da América. Assim, as pessoas que estão presas nesses armários podem sair. Ele queria aquela bala que o matou para trazer as pessoas para a luta.

Gary foi co-proprietário do Backstreet, um bar gay na área de ‘Tenderloin’ de São Francisco que foi um dos primeiros a boicotar a cerveja Coors. Seu amigo David Patrick Stucky administrava o bar, onde Harvey costumava ser visto distribuindo panfletos. David morou em San Francisco de 1972 a 1981. Durante esse tempo, ele foi voluntário nas campanhas políticas de Milk, mas foi altamente ativo em outros projetos comunitários. Foi naturalmente o que se fez na época, diz ele. David estava envolvido na oposição a Anita Bryant, a rainha do concurso que virou cantora que virou ativista política que dirigiu a infame campanha ‘Save Our Children’, que revogou as leis da Flórida que proibiam a discriminação com base na orientação sexual. Percebendo que essa luta viria em breve para a Califórnia, a comunidade LGBTQ + de São Francisco se mobilizou para derrotar esses esforços.

Olhando para trás, David lamenta que o progresso conquistado a duras penas tenha sido interrompido pela crise da AIDS. Estávamos nessa função, indo de triunfo em triunfo, diz ele. Não poderíamos estar em melhor posição na época em que Harvey foi baleado, mas estávamos a apenas seis meses do início da crise da Aids. Todo esse ímpeto foi interrompido porque colocamos tudo para manter as pessoas vivas.

Após o assassinato de Harvey, David descreve uma manifestação de simpatia da comunidade em geral. Por mais tragédia que tenha sido a morte de Harvey, politicamente foi um avanço porque recebemos tudo o que pedimos, explica ele. O prefeito nos deixou marchar pela Market Street e até mesmo nos deixou hastear uma bandeira na prefeitura. Harvey se tornou um mártir. Muitas vezes penso o quanto poderíamos ter alcançado se não tivéssemos perdido tantos anos para a Aids.

Boicote Coorspôster, 1970via Oakland Museumda califórnia

40 anos depois, enquanto a esquerda americana luta para resistir à agenda do presidente Trump e a um levante de extrema direita, há paralelos a serem traçados com o ativismo que começou na Rua Castro décadas atrás. David está animado com a nova onda de ativistas - jovens e velhos - muitos dos quais também se identificam como LGBTQ +. Emma (González) e essas crianças que saíram dos tiroteios na Flórida são inspiradoras. Mas a cada marcha que faço agora também vejo muitas mulheres de 80 anos com sinais muito inteligentes, diz ele. A mudança tem que transcender qualquer faixa etária em particular e transcender a visão majoritária e a corrida desenfreada de hoje em busca de dinheiro para resolver tudo. Nós nos tornamos muito capitalistas e imunes ao sofrimento de outras pessoas. Isso acabou agora, então, de certa forma, sou grato pelo que está acontecendo.

Embora o movimento pelos direitos LGBTQ + de São Francisco não fosse apenas liderado por gays. Da mesma forma atraído pelo despertar que estava acontecendo na Costa Oeste, Gwenn Craig mudou-se para São Francisco em 1975. Depois de se mudar para a área da Rua Castro, Gwenn se envolveu no movimento pelos direitos LGBTQ +. Eu estava imerso em tudo o que estava acontecendo culturalmente, mas não me tornei politicamente ativo até 1976, quando o fenômeno Anita Bryant começou na Flórida, ela explica. Havia muito medo e reuniões de grupo e prefeituras. Eu fui varrido pela onda emocional disso.

Gwenn acabou sendo nomeada coordenadora de mídia do movimento, o que a colocou em contato com Milk. Se há uma pessoa que sabe como chamar a atenção da mídia, esse alguém é Harvey Milk. Ele tinha muito conhecimento de mídia, diz ela. Entrei em sua loja na Castro Street para vê-lo e ele me levou até seu escritório e me contou todas as suas idéias. Ele se tornou meu mentor a partir desse ponto.

Harvey e eu sabíamos que se as pessoas parassem de pensar em nossa comunidade apenas como jovens homens brancos e começassem a lidar com a integridade de nossa comunidade, isso nos faria avançar

Gwenn lembra que Milk foi encorajada por sua disposição de ser aberta e se destacar e ir e falar com as pessoas como uma lésbica afro-americana aberta. Isso foi particularmente relevante, pois uma mensagem central de sua campanha foi 'Estamos em toda parte'.

Sempre senti que precisávamos mostrar a diversidade de nossa comunidade. Queríamos impressionar as pessoas: 'somos seus filhos e filhas, as pessoas com quem você compra, as pessoas que entram em sua loja, somos as pessoas que você vê todos os dias. Estamos em toda parte ', ela explica, continuando: Harvey e eu sabíamos que se as pessoas parassem de pensar em nossa comunidade como apenas jovens homens brancos e começassem a lidar com a integridade de nossa comunidade, então isso nos faria avançar.

Gwenn se envolveu na campanha de sucesso do supervisor da cidade de Milk. No ano seguinte, ela liderou a campanha bem-sucedida contra a Iniciativa Briggs, uma legislação venenosa que buscava proibir professores abertamente gays de trabalhar nas escolas da Califórnia. Esta foi a última campanha em que ela e Milk trabalharam juntas, já que a legislação foi derrotada pelo voto público poucas semanas antes de sua morte. Ele visitou Gwenn no dia em que ela fechou os escritórios de campanha, que foi a última vez que ela o viu. A última conversa que tivemos foi cara a cara, o que na verdade era bem raro, porque sempre havia muito burburinho e muitas pessoas ao redor dele, lembra ela. Exceto na primeira vez que o conheci, pode ter sido a única conversa cara a cara que tive com ele. Ele falou muito sobre como a vitória dessa luta o deixou otimista e as pessoas que reunimos.

Embora menos de três semanas depois, ele estava morto. Gwenn tinha tirado férias pós-campanha muito necessárias para o Havaí quando soube da notícia. Fomos direto para o aeroporto e voltamos direto para São Francisco, lembra ela. Estávamos em total agonia. Neste mundo, que parecia tão bom apenas um minuto atrás, como isso poderia ter acontecido? Estávamos cheios de tristeza, pesar, raiva e tudo o que se possa imaginar.

Gwenn permaneceu politicamente ativo nos últimos 30 anos, assumindo vários cargos no governo da cidade e do condado de São Francisco. Ela me disse que sempre se esforçou para ficar conectada ao legado de Milk de uma coalizão de solidariedade entre grupos marginalizados. Apesar de tais desafios permanecerem para os jovens LGBTQ + da América, afro-americanos e outras comunidades, ela ainda permanece eternamente esperançosa.

Eu não estou sozinho. Eu penso nas marchas femininas que aconteceram logo após a inauguração aqui. Isso é o que me deu força. Temos muitas pessoas que acreditam como eu e o mundo ao qual queremos resistir. Isso é o que me dá esperança, diz ela. Existem pessoas que, como Harvey, podem se levantar e expressar uma mensagem de esperança que me inspirou, me motivou e me fez acreditar que nem tudo está perdido. Somos a maioria. E precisamos lembrar de resistir à minoria que nos espera para descansar, que espera que tiremos um dia de folga, para tentar tirar nosso poder.